Calundu

Início » Posts etiquetados como 'luto'

Arquivo da tag: luto

Makota Valdina presente!

Com muito pesar o grupo Calundu recebeu a notícia da passagem da nossa queridíssima Makota Zimewanga, a Makota Valdina.

Grande liderança afrorreligiosa, grande militante por direitos para o povo negro e para afrorreligiosas/os, a luta e vida de nossa agora ancestral inspirou desde o início o nosso trabalho. Foi ela, junto à mãe Beata de Iemanjá, quem cunhou o termo “racismo religioso”, conceito base de nossos estudos (cf. Flor do Nascimento – ver aqui). Se hoje defendemos nossas dissertações e teses calunduzeiras, muito devemos aos aprendizados que ela nos deixou.

Por todo o seu valor, fica aqui nessa breve e emocionada nota, nossa lembrança dessa grande senhora!

Makota Valdina, em sua tradição angoleira, que N’Zambi a receba em festa! A senhora lutou a boa luta, venceu e deixou seu legado. Tenha uma linda passagem junto a Mam’etu Matamba, que te encaminhará aos braços de te pai Nsumbu. Agradecemos por tudo!

 

Homenagem a mãe Stella de Oxossi

 

No apagar das luzes de 2018, dia 27 de dezembro, mãe Stella de Oxossi, Odé Kayodé, a grande iyalorixá do Candomblé do Ilê Axé Opô Afonjá, fez sua passagem à próxima morada – o Orun, conforme a crença nagô.

Mãe Stella, além de longeva liderança de sua comunidade de terreiro, foi enfermeira, escritora com assento na Cadeira n.33 da Academia Baiana de Letras e um grande ícone do ativismo afrorreligioso brasileiro. Voraz crítica ao sincretismo hodierno com o catolicismo (a iyalorixá não condenava o sincretismo realizado no passado, que mesmo forçado foi uma das estratégias de preservação de tradições empreendida pelo povo negro calunduzeiro e suas grandes mães de santo), a compreensão nacional de que o Candomblé é uma religião independente de quaisquer outras, assim como as demais religiões afro-brasileiras, é fruto direto de sua militância. A noção de que o povo de santo deve escrever seus próprios textos e sua própria história também é um dos ensinamentos que deixou. O registro escrito da episteme afrorreligiosa no Brasil, do conjunto de ensinamentos que reúne, sempre com respeito a fundamentos e à presença, à força e ao valor da oralidade, passa pelas lições de mãe Stella.

Mãe Stella de Oxossi foi uma grande inspiração para o grupo Calundu, que sentiu fortemente sua passagem. Todas e todos somos seres passageiros por este plano e temos por aqui nossa(s) missão(ões) a cumprir. Neste sentido, a morte é tão somente mais um passo natural em nossa existência. Ainda assim, a nós que ficamos, causa comoção a despedida de um ser querido – e mãe Stella de Oxossi era muito querida. Que possa seu pai, o caçador mor, recebê-la de braços abertos em sua próxima morada. E que possamos nós, que por aqui ainda estamos, seguir aprendendo com seus ensinamentos. E às/aos que também somos acadêmicas/os, como nós calunduzeiras/os, que possamos seguir honrando o legado dessa grande iyalorixá.